Páginas

terça-feira, 27 de junho de 2017

Casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura é condenado por lavagem de dinheiro.

Em ação que condenou o ministro Antônio Palocci a 12 anos e dois meses de prisão, o juiz federal Sérgio Moro também sentenciou o casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura, a um ano e seis meses em regime fechado. O casal é acusado de lavagem de US$ 10,2 milhões que teriam sido pagos pela Odebrecht como caixa dois das campanhas petistas, em 2013. 

Os valores são oriundos de contratos entre a construtora e a Petrobras. Ao todo são 13 condenados, incluindo empresário Marcelo Odebrecht e os marqueteiros do PT João Santana e Mônica Moura - os três, delatores da Lava Jato. A ação apontou pagamentos de USD 10.219.691,08 em propinas, referentes a contratos firmados pelo Estaleiro Enseada do Paraguaçu - de propriedade da Odebrecht - com a Petrobras, por intermédio da Sete Brasil. O dinheiro foi pago ao marqueteiro do PT João Santana. 

Os valores serão bloqueados das contas de Palocci para ressarcir a estatal. Mesmo com o acordo de delação premiada, Moro considerou que dada "a gravidade em concreto dos crimes praticados por João Cerqueira de Santana Filho, não cabe perdão judicial". O mesmo vale para a esposa, Monica Moura. 

Dessa forma, o casal cumprirá um "ano e seis meses de reclusão no assim denominado regime fechado diferenciado, desta feita com recolhimento domiciliar integral e tornozeleira eletrônica". "Findo o período, deverá cumprir mais um ano e seis meses no assim denominado regime semiaberto diferenciado, desta feita com recolhimento domiciliar noturno, finais de semana e feriados, com tornozeleira eletrônica e com prestação de serviços à comunidade por vinte e duas horas mensais. G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário