Páginas

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Jó de Jú conta detalhes da Operação da PF e diz ter sido vítima de denúncia maldosa - Em Itiruçu.

Vereador Jó de Jú.
Após ter o nome envolvido na operação Inredux (em latim, irredutível), o vereador Jó Jocenil Andrade, popular Jó de Jú, se pronunciou pela primeira vez. As declarações foram para o Itiruçu Online em uma entrevista exclusiva, que contou detalhes do ocorrido. Jó disse ter sido surpreendido por prepostos da Polícia Federal logo pela manhã de terça-feira.
 – “Os policiais bateram na porta da casa de meu pai e os atendi. Devidamente fardados eles avisaram que precisavam cumprir um mandado de busca e apreensão de alguns documentos. Foi revistada toda casa e nada foi encontrado pelos PFs. Fui solicitado a acompanhá-los até meu gabinete, onde fizeram buscas e também nada de ilícito foi encontrado. Pediram para ligar meu computador e assim nada foi encontrado também.
Os Policiais fizeram um documento atestando que nada foi encontrado e prontamente assinei. Eles tiveram com mandado para meu gabinete, em face de uma denúncia maldosa, trazendo a minha pessoa a acusação de usar meu gabinete para atender pessoas requerentes de benefícios da previdência. 
Não sei qual foi à intenção de quem a fez (denúncia), certamente esta pessoa anda incomodada com meu trabalho de vereador. Não serão atitudes assim que irá fazer Jó de Jú parar se servir à comunidade carente. Irei continuar ajudando quem procura por ajudas, pois sei que precisam de mim como vereador. 
O que fiz foi ajudar meu irmão em emprestar meu gabinete para atender as pessoas nas orientações que ele fazia sobre como dá entrada aos processos do INSS, quando fosse preciso ele usar, apenas isso, mas nunca tive participação nas orientações feitas por ele. Quero deixar claro também que emprestei meu gabinete sem nenhum fim lucrativo. Meu irmão não atendia em outros gabinetes da câmara, é bom deixar isso claro, era apenas no meu e com minha autorização, os demais vereadores não tem nada com a história”, disse Jó.
 Repercussão rápida do caso.
 -“Na verdade sempre que viajo a Salvador sintonizo o rádio do carro no programa do Mário Kertész e, na terça-feira (27), tive meu nome citado por ele de forma errônea, fruto de uma nota infeliz do site Bocão News, que recebeu de alguém com atitudes desleais comigo, distorcendo o assunto e ligado meu nome a uma investigação que ocorre na cidade sobre uma empresa chamada M. Filhos, que prestou serviços à prefeitura de Itiruçu em 2010, acusando minha pessoa de cometer corrupção de desvios de recursos do Fundeb. 
Graças a Deus a equipe do Bocão percebeu o erro minutos depois, quando assim souberam da real operação realizada e corrigiram. Não sei se o Mário Kertész corrigiu o comentário sobre meu nome, recebi o áudio onde até fazem irrisão com o nome ‘Jó de Jú’, apelido que recebeu honrosamente por mim ligarem a meu pai, homem honesto que foi vereador no município por várias vezes. 
Tentei ligar no programa dele (Mário Kertész), mas o telefone sempre dava ocupado. Na verdade a operação que ocorre sobre a empresa M. Filhos nunca tive nenhum tipo de ligação com a gestão da época, nem nunca exerci nenhum tipo de vinculo com a prefeitura. Tenho honra de meu nome e de minha história. Agora estou vereador por uma escolha da comunidade e o que puder fazer para ajudar Itiruçu tenham a certeza que farei”-, garantiu


No final, Jó aproveitou para agradecer atos de solidariedade de amigos e eleitores. – “Quero agradecer as mensagens de carinho e as ligações recebidas até o dia de hoje, oriundas de amigos, políticos e eleitores, uma clara demonstração de confiança e credibilidade no que faço. Meu caráter e minha postura diante da sociedade não mudou por conta de uma denuncia infundada. Continuo morando na mesma casa, usando o mesmo telefone, fui eleito vereador para servir uma comunidade, não para mudar meus bons costumes com as pessoas de bem”-, finalizou.Foto/Fonte:Itiruçu Online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário