Páginas

sábado, 24 de junho de 2017

Perícia da PF conclui que não houve edição em áudio de Joesley Batista e Temer.

A perícia da Polícia Federal concluiu que não houve edição nas gravações feitas pelo dono da JBS Joesley Batista em conversa com o presidente Michel Temer. Segundo informações do jornal O Globo, os peritos apontaram 200 interrupções no áudio feito no dia 7 de março no Palácio do Jaburu. As "descontinuidades" foram justificadas pelas características técnicas do gravador utilizado. 

O equipamento possui um microfone sensível ao som ambiente. Ele é acionado automaticamente quando identifica um som, mas também para em momentos de silêncio. 

Em entrevista ao G1, o advogado de Temer, Antonio Claudio Mariz de Oliveira, alegou que ainda precisa ter acesso ao material da PF, mas que a perícia "não é uma verdade" absoluta. "Se existe um laudo dizendo que não houve manipulação, existem outros três dizendo que houve. É uma questão de análise e de julgamento final da autoridade responsável", contestou Mariz.

A perícia faz parte do inquérito que investiga Temer e o seu ex-assessor, Rodrigo Rocha Loures. A gravação pode apontar a existência do crime de obstrução de Justiça. Eles também são investigados por corrupção passiva e organização criminosa. Na semana passada, um relatório parcial da PF já apontou indícios, “com vigor”, de corrupção passiva envolvendo o presidente. (BN)


Nenhum comentário:

Postar um comentário