Páginas

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Falta de energia em hospital pode ter provocado a morte de 8 pessoas - Em F. de Santana.

Um funcionário do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana, a 109 km de Salvador, apresentou uma denúncia ao Ministério Público, onde afirma que a falta de energia elétrica pode ter provocado a morte de oito pessoas no último sábado (21). Um curto-circuito em duas tomadas deixou uma das alas do hospital sem energia por 15 minutos.

Em entrevista ao Aratu Online, o promotor do Ministério Público Estadual, Antônio Eduardo Setubal, afirma que 32 minutos após a denúncia, uma equipe de investigação foi ao local, obteve as certidões de óbito das vítimas, além de visitar os pacientes que estavam na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade de saúde. Todos os pacientes ainda internados tinham data de admissão antiga, comprovando que estavam há mais dias no hospital, não tendo sido substituídos pelos pacientes que morreram.

Segundo o promotor, a maioria dos óbitos foi de idosos com idade avançada, acima dos 85 anos, e as mortes ocorreram em horários diferentes, o que segundo Antônio Setubal, já praticamente afasta a possibilidade da falta de energia ter sido a causa das mortes.

Também de acordo com o promotor, as investigações sobre a causa do apagão continuam e a Coelba deve ser ouvida, além da obtenção de documentos da mantenedora dos dois geradores que existem no hospital e o relatório de inspeções no mês de setembro. O promotor afirmou também que as baterias dos aparelhos estavam carregadas.

O diretor da unidade, José Carlos Pitangueira, afirma que o ato pode ter sido criminoso. Ele afirmou que houve um curto-circuito em duas tomadas da emergência mas, mesmo que faltasse energia e que na unidade não tivesse geradores, os equipamentos têm baterias que funcionam por até 12 horas.

O promotor disse também que a diretoria do hospital tem até 10 dias para informar, por escrito, o ocorrido nesta unidade. Uma investigação técnica será convocada para identificar se o curto-circuito foi realmente criminoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário